Sonic Youth - Washing Machine

Sonic Youth - Washing Machine

Por: Lucas Gabriel

O Sonic Youth conta com uma discografia longa e muito diversificada, onde a banda vagueia em vários estilos e extremos, mas sempre com a sua raiz experimental e, na maioria as vezes, "estranha". No meio de tantos discos, há alguns que se sobressaem, como o Daydream Nation e o Washing Machine que deu uma nova roupagem para a banda, colocando-a como uma das bandas principais do shoegaze nos anos 90.

Ouvir Sonic Youth pode ser uma experiência um tanto indigesta para alguns, visto que a sua sonoridade permeia vários extremos, sobretudo, o "experimentalismo caótico", principalmente nos seus primeiros álbuns - Confusion Is Sex, Bad Moon Rising e Evol, onde o experimentalismo corre solto, com vocais mais falados do que cantados, instrumentos dissonantes e quebradas inesperadas. Não que isso seja ruim, mas sei que pra maioria pode ser um tanto estranho - talvez para quem está acostumado com o lado mais "art/experimental" de Velvet Undergroud, Nick Cave, Patti Smith e Can, soe de forma agradável. Enfim.

O Washing Machine é um disco que ainda traz as loucuras experimentais do Sonic Youth, mas com uma matriz própria nas suas guitarras, lembrando elas sempre foram o ponto diferente do seu som, e que aqui soam com distorções e fuzz mais controlados (se é que isso é possível). Inclusive, esse "controle" maior das guitarras já era perceptível desde o Daydream Nation, passando pelos GooDirty e, principalmente, no Experimental Jet Set, Trash and No Star, contudo é no Washing Machine que ouvimos, pela primeira vez, o Sonic Youth percorrer um som mais viajante e submersivo. A própria música que leva o nome do álbum, Washing Machine, é o melhor exemplo disso, onde no seu início as guitarras são responsáveis por riffs e ritmos quebrados (típico deles), mas dos 2min em diante, as guitarras começam a se soltar, e dos 6min em diante, o fuzz/distorção encobre toda a música. Dali até o final, sentimos (até de forma irônica) como o Sonic Youth consegue produzir um som "sujo" mas que soa reluzente aos ouvidos. Essa "sujeira límpida", por assim dizer, também encontramos nos finais de Unwind, No Queen Blues e em The Diamond Sea.

Outro ponto evidente no disco é aquela sonoridade "Brit 90s", com guitarras que levam gotas de distorção e reverb, e que produzem um som "nublado" e "noise". Não estou querendo falar que é algo britpop, mas tem aquela essência britânica única de bandas como Stone Roses, Verve, Smiths e Suede. Pelo menos é isso que ouço em Saucer-Like, Unwind, Little Trouble Girl e Becuz Coda.

The Diamond Sea, a canção que fecha o disco é uma obra a parte! São quase 20 minutos de intensidade sonora impactante. Seu início é agradável e conta com uma melodia empolgante que é conduzida por um vocal apaixonante e um baixo que faz a cama macia necessária para as guitarras brilharem com seus arpejos leves e soltos. Com crescimento natural dos 2min ao 7min, os instrumentos criam uma base amena para a voz de Moore encerrar a primeira parte da canção de forma melódica e linda. Bravo! Sua "segunda parte" se inicia com um diálogo sóbrio entre as guitarras, que passam por momentos embriagantes e insanos, com uma crescente forte, pequenas interrupções e suas dissonâncias clássicas. Uma construção musical sólida e grosseira, mas que, ironicamente, soa viajante e harmoniosa. Lembra até mesmo bandas de post-rock que produzem aquele som atmosférico - aliás, isso é algo que o Sonic Youth sabe fazer muito bem, porém nunca quis incrementar de maneira mais forte nos seus trabalhos; para perceber isso, é só ouvir o disco Spinhead Sessions, lançado em 2016, que traz 7 faixas que a banda produziu nos anos 80.

O Washing Machine é um álbum forte e que leva a essência mais pura do Sonic Youth, carregado de vários elementos que a banda sempre trabalhou com base nas suas influências no art/experimental rock. Contudo, dessa vez, suas famosas guitarras dissonantes soam "mais reguladas", onde as 'distorções' e o 'fuzz' geram uma assinatura ainda mais autêntica para a sonoridade da banda.

  • Músicas principais: No Trouble Girl, The Diamond Sea
  • Músicas favoritas: Becuz Coda, The Diamond Sea

Resenhas em Destaque

Vibe

Ouça nosso podcast na sua plataforma preferida
Spotify Deezer Google Itunes